Como as Martechs podem revolucionar negócios

martech

MarTechs são empresas que unem marketing e tecnologia em seu escopo de trabalho, através de estratégias ou ferramentas, para melhorar a performance das mais diversas iniciativas.

As martechs buscam a otimização de tarefas que antigamente eram feitas de forma manual. Tal processo resulta em benefícios, redução de desperdícios e fidelização dos clientes.

A cultura das martechs permitiu, explorando o potencial do Bussiness Intelligence (BI), chegar ao fim da era dos achismos e implementação da cultura data-driven nas empresas de marketing.

Nesse artigo, vamos entender melhor o conceito das startups MarTech, essa evolução no mercado e tendências do setor. Vamos nessa?!

 

O que são Martechs?

A era digital trouxe uma revolução nos modelos de negócio, nas relações de trabalho e no comportamento dos consumidores. Nesse cenário vimos popularizar conceitos como Startups, FinTech e também as Martech.

Martech é a junção de Marketing e Technology, que quer dizer a aplicação da tecnologia ao marketing com objetivo de obter melhores resultados.

Na prática, são empresas que unem marketing e tecnologia em seu escopo de trabalho, através de estratégias ou ferramentas, para melhorar a performance das mais diversas iniciativas.

As martechs são muitas vezes confundidas com marketing digital, mas esses são conceitos diferentes, apesar de interdependentes. O marketing digital está relacionado a estratégias de conteúdo e gestão de canais. As martechs são empresas que usam da tecnologia para garantir que esses conteúdos sejam disponibilizados em múltiplos canais no meio digital.

Elas envolvem todo o planejamento, execução e monitoramento de ações de marketing. Assim como coleta e análise de dados e aprimoramento de processos internos. As martechs buscam a otimização de tarefas que antigamente eram feitas de forma manual. Tal processo resulta em benefícios, redução de desperdícios e fidelização dos clientes.

As martechs exploram o potencial do BI dentro do marketing, através de inteligência realizam análise precisas que otimizam e potencializam performances de campanhas. Assim, possibilitando tomada de decisões mais assertivas, com retorno positivo para o negócio.

Tecnologias como inteligência artificial, machine learning e big data estão se popularizando e permitindo que pequenas e médias empresas tenham acesso à informação que permite que seus gestores de marketing e vendas sejam mais eficientes na hora de lidar com o consumidor.

Levando em conta que tais tecnologias estão apenas começando a se desenvolver no mercado, temos um futuro promissor de oportunidades para as martechs. Segundo estudo da Distrito, no primeiro trimestre de 2021 os investimentos em martechs já representam 95% do que foi movimentado em 2020.

 

Evolução do mercado

Já dizia Kotler que Marketing é a arte de criar valor genuíno aos clientes. Nos últimos anos vimos o conceito de marketing 4.0 ficar em alta com a nova camada digital.

A evolução dessa transição do físico para o digital trouxe complexidade, mas também boas oportunidades. Complexidade porque o consumidor 4.0 é mais exigente e cada vez mais intolerante a anúncios e propagandas. Houve uma mudança muito grande no comportamento de consumo.

Por outro lado, a tecnologia permitiu ter oportunidades impensáveis de alcance, mensuração e captura de dados. Com essas premissas é possível entender melhor o consumidor e entregar mais do que um produto ou serviço.

Nesse contexto, a forma mais eficiente de atualizar a sua empresa é contar com o auxílio de Martechs ao longo do caminho. No Brasil, a transformação foi acelerada pela chegada do Covid-19.

Profissionais de marketing evoluíram no último ano o que poderiam ter feito nos últimos 5, compreendendo a importância do digital. Enquanto a urgência de soluções que atendessem a uma demanda totalmente digital impactou a forma de pensar dos executivos.

A transformação digital esbarra inteiramente na cultura de dados. No marketing digital proporciona a mensuração de todo tipo de ação e a análise dos dados obtidos nelas.  A área de BI passa a ser o braço direito do marketing para coletar os dados e retratar as informações certas. Um processo contínuo de aprendizado sobre o cliente, mercado e concorrentes.

Isso traz uma mudança no modelo de gestão, porque com dados em mãos tudo se torna possível e previsível. As oportunidades reveladas por números, modelos matemáticos e estatísticos movem negócios, marcas e empresas para um novo patamar de resultados.

Viver a cultura data-drive (orientada por dados) passou a ser um dos maiores desafios enfrentados pela publicidade hoje. Pois, muitas agências nasceram antes da era digital e tem uma dificuldade maior em imergir na nova cultura. Até porque a transformação deve envolver a empresa como um todo, uma mudança de mindset que deve vir de cima.

A cultura das martechs permitiu chegar ao fim da era dos achismos, em que decisões eram tomadas por convicções de um gestor ou modelos convencionados de como fazer. Os dados permitem decisões mais inteligentes e inspiram a mente mais brilhante e criativa da publicidade.

Nas agências de publicidade a visão data driven marketing impacta várias frentes: estratégia, mídia, criação e produção ágil.

 

Tipos de Martechs

O universo das martechs tem se expandido bastante, principalmente no último ano. Segundo estudo da Distrito, em 2020, cerca de US $200 milhões foram investidos em martechs no país. Apenas uma startup foi responsável por 50% do volume de investimento, que é a Take.

Nesse contexto, as tecnologias usadas para o marketing digital deixaram de ser verticalizadas e foram se transformando em plataformas capazes de integrar diversos outros sistemas. Tal integração permite que as martechs gerenciem, analisem e acionem todo o ciclo de vida de um cliente. 

As martechs são divididas em algumas categorias, de acordo com seus modelos de negócio. São elas:

1 – Publicidade e Propaganda:  startups que desenvolvem soluções para promoção, divulgação e exibição de marcas, produtos, serviços e campanhas, com o objetivo de facilitar e otimizar os resultados de anúncios publicitários.

2 – Conteúdo e Experiência:  startups focadas em criar e distribuir conteúdos valiosos e convincentes para atrair, reter e engajar o público-alvo.

3 – Comércio e Vendas: soluções que recolhem dados e informações de compradores, que utilizam inteligência de mercado e que impulsionam motores de vendas, como técnicas de “business intelligence”, sistemas de big data, programas de fidelidade e pesquisa de mercado.

4 – Social e Relacionamento: soluções para área de relacionamento com clientes e marketing nas redes sociais.

 

Benefícios no negócio

Você como gestor de marketing pode ainda estar se questionando sobre os benefícios diretos em investir nos serviços de uma Martechs. Sem dúvidas o maior ganho que as Martechs proporcionam é a possibilidade de tomar decisões baseadas em dados.

Os softwares e soluções permitem maior controle sobre os seus dados e, consequentemente, melhor gerenciamento. Dessa forma, colaborando para a transformação deles em ações que realmente tragam resultados para a empresa.

O acesso mais fácil melhora a percepção em relação ao segmento de atuação da sua empresa. A cultura data-driven permite decisões mais bem embasadas e precisas.

Além disso, as soluções tecnológicas também garantem o monitoramento em tempo real, o que permite ajustes e otimizações das ações. Tal processo evita desperdício de recursos e garante maior eficiência para a equipe.

Como efeito, as martechs acabam por entregar campanhas mais eficientes, porque as mensagens são direcionadas para impactar quem realmente importa. As estratégias são alinhadas para entregar o que o cliente deseja, entendendo suas dores e anseios.

Todas as avaliações e estudos de pré-campanha aumentam as chances do público-alvo ser realmente impactado e corresponder positivamente. Tudo pode ser adaptado para garantir uma melhor experiência. O que reflete na recorrência de compra e fidelização da marca.

De forma geral, todos esses pontos mostram que o uso de Martechs no planejamento estratégico de marketing melhora o custo-benefício para a empresa. Pois, os benefícios são para todas as áreas do negócio. Uma vez que otimiza resultados, tempo de equipe e satisfação dos clientes.

 

Tendências do setor

1 – Agências in-house: empresas anunciantes internalizando o processo criativo. Esse movimento já tem sido comum nos últimos 10 anos e deve se fortalecer.  Segundo pesquisa da Oliver, 5 dos 10 maiores anunciantes trabalham com esse tipo de operação.

Os principais objetivos dessa transição é o relacionamento com clientes, agilizando o tempo de resposta e processo de tomada de decisão; uso inteligente dos dados; eficiência operacional e diminuição dos custos.

2 – Encontro virtuais:  o movimento das conferências online explodiu durante a pandemia e vai se manter forte. Uma mudança de comportamento que não passou despercebida em empresas de tecnologia de marketing.

3 – Consolidação de plataformas: integração de ferramentas que deixam de ser um aplicativo especializado para se tornar uma plataforma completa de serviços, atendendo a várias finalidades.

4 – Fusões: os M&As de martechs será uma prática cada vez mais comum. Em 2020 o número de aquisições e fusões foi 83% maior do que em 2019. A partir de análises estatísticas da Distrito, espera-se que em 2021, 25 martechs sejam adquiridas.

5 – Unicórnios: o setor tem algumas candidatas a unicórnio (startups que alcançam a marca de U$1bilhão de valor de mercado), entre elas a Take e Olist.

 

Conclusão

O universo das martechs está apenas começando a ser explorado. Tecnologias como Big Data, Iot, Inteligência Artificial e Machine Learning estão evoluindo constantemente e com elas os novos modelos de negócio.

As martechs revolucionaram a forma de se trabalhar com publicidade e marketing. Tornaram-se um requisito para as empresas se diferenciarem no mercado competitivo e conquistarem melhores resultados. 

Você já usa as martechs nas sua estratégias? Faça uma avaliação gratuita da Geração de Demanda da sua empresa.

Os impactos da falta de posicionamento digital nos negócios

posicionamento digital

A falta de posicionamento digital é um problema comum de muitas empresas. O posicionamento de marca, digital ou não, é o que sustenta a sua proposta de valor e vai te diferenciar da concorrência.  

A era digital é a mais competitiva que já tivemos. Consumidores têm acesso fácil a qualquer tipo de informação e são bombardeados com todo tipo de publicidade e conteúdo.

O consumidor digital é exigente e deseja personalização. Destacar-se nesse meio não é simples, por isso definir bem o posicionamento da sua empresa é tão importante.

O marketing é um forte aliado para estruturar o seu posicionamento de forma estratégica. Entenda melhor nesse artigo porque você deve posicionar a sua empresa. Veja também as melhores estratégias de marketing que podem te auxiliar nesse desafio!

 

O que é posicionamento digital?

Falar de posicionamento é falar de estratégia e de como a sua marca é percebida pelo consumidor. Isso é: o espaço que a marca ocupa na mente de um cliente e como ela se diferencia da concorrência.

No ambiente de empresa toda e qualquer estratégia precisa ser pautada no plano de negócios e no posicionamento da marca. Ter esses dois artifícios bem definidos e alinhados ajuda na construção de ações realmente eficazes e com objetivos claros.

O posicionamento de marca é a base do marketing e ambiente digital ele se torna cada vez mais imprescindível para a construção de um negócio de sucesso. O marketing digital é um dos melhores meios para as empresas se posicionarem com autoridade no mercado e se tornarem conhecidas.

O posicionamento digital é uma estratégia de marketing que ajuda negócios a se diferenciarem. O objetivo é oferecer ao seu público algo maior, melhor ou mais valioso do que os seus concorrentes. E o mais importante: que resolva o problema do seu cliente.

O posicionamento faz parte da construção da estratégia de marca. Uma estratégia de marca bem definida e executada leva a uma mensagem de marca consistente e uma forte conexão com os clientes.

Para a empresa conquistar um posicionamento de excelência é preciso ter um comprometimento da equipe em estudar o setor de atuação e os objetivos da empresa. Dessa forma, torne-se especialista no assunto, crie um ambiente de confiança e conhecimento.

Quanto melhor for a sua solução de mercado e maior seu entendimento do cliente melhor serão os seus resultados em relação à posição da sua empresa no mercado. Uma estratégia de posicionamento digital eficaz potencializa a sua relevância para o cliente e garante um diferencial competitivo. Os principais objetivos que a sua estratégia deve responder são:

– relevância: por que a sua marca é atrativa para o cliente?

– diferenciação: por que a sua marca é única em relação às outras?

–  credibilidade: por que você confiar na minha oferta?

 

 A importância de um bom conteúdo

O conteúdo é a parte mais importante de uma estratégia digital. É através dele que a sua empresa vai fortalecer o posicionamento e despertar o interesse do potencial cliente. As marcas que investem em conteúdos ricos, úteis e relevantes conseguem maior aceitação do público.

Marketing de conteúdo é a estratégia definida pelo uso de conteúdo na comunicação com o cliente. O foco é a produção de conteúdo de qualidade para atrair o público e criar familiaridade. 

É importante que, ao buscar sobre um produto ou serviço, o consumidor encontre soluções nas suas páginas, blogs, sites, redes sociais etc. De forma que ele confie e acredite no que sua empresa oferece.

É essencial estudar as dores do cliente e analisar os motivos pelos quais a sua solução é a ideal para ele. Assim, será possível construir conteúdos relevantes e que despertem a atenção do lead.

Uma maneira de conhecer mais profundamente o seu target é criando o mapa de empatia da sua persona. Dessa forma, poderá propor os temas mais relevantes. O conteúdo precisa engajar as pessoas e guiá-las pela jornada de compra de forma a convencê-las a escolher a sua marca em vez da concorrente.

Os conteúdos produzidos por uma marca devem se adaptar aos diferentes canais que o seu público esteja. O planejamento de conteúdo precisa ser integrado e todos os materiais devem apresentar uma identidade única, capaz de ser facilmente reconhecida pelo seu cliente.

O marketing atrelado ao conteúdo pode render oportunidades de negócio de forma recorrente. Além disso, essa também é uma excelente maneira de fortalecer uma marca. 

Para o marketing, conteúdos digitais podem ter diferentes objetivos, como gerar mais leads, criar visibilidade para uma marca, promover engajamento, atrair novos clientes, entre outros. O conteúdo é o ouro do marketing digital!

A estratégia de conteúdo é uma das mais baratas que se tem, mas isso não quer dizer que não deva receber investimentos ou que pode ser feita por qualquer pessoal. Um bom conteúdo requer uma boa equipe de redação por de trás! Caso contrário seus conteúdos podem não gerar leads. Se isso acontece na sua empresa, entenda os motivos e como solucionar

 

Geração de Demanda x Geração de Leads 

É comum no mercado existir uma confusão entre os termos geração de demanda e geração de lead. Apesar de complementares eles são diferentes! Vamos entender melhor isso?

 Gerar demanda é atrair pessoas interessadas ao seu produto / serviço. É uma estratégia típica do início da jornada de compra do consumidor. Aquele momento em que você precisa tornar a sua marca conhecida no mercado e despertar o interesse de novos leads para o funil.

 A geração de demanda é uma forma de difusão da marca e promoção de receita para o seu negócio. A segmentação do público-alvo é a base para que a estratégia tenha bons resultados.

 Já a geração de leads é mais específica! Muita utilizada no Inbound Marketing, é o ato de captar dados de potenciais clientes oferecendo a eles em troca conteúdos relevantes, como ebooks, webinars etc. São os famosos formulários e landing pages de captação de informações.

 Como deve ter notado, a geração de leads é também uma das estratégias de geração de demanda. Isso é, a geração de leads normalmente acompanha como boa tática dentro da estratégia de geração de demanda. Você pode se aprofundar mais no tema e aprender como otimizar a geração de demanda B2B aqui. 

 

 Estratégias de Marketing:

 Inbound Marketing

O Inbound Marketing é o marketing de atração. É formado por um conjunto de estratégias que tem como objetivo fazer com que o cliente encontre a sua marca de forma voluntária.

Nessa técnica a empresa cria e distribui conteúdos relevantes para chamar atenção do público-alvo e fazer com que ele engaje com a marca de alguma forma. O objetivo é criar uma conexão, educando o lead e ligando-os ao conteúdo de maneira orgânica.

A estratégia de geração de leads é a base do Inbound Marketing, com a distribuição de materiais ricos em landing pages. A estratégia funciona bem para empresas com ticket médio baixo e que precisam de volume no seu topo de funil. Se esse é o seu caso, pode apostar com tudo!

Em vendas complexas e com ticket médio alto, o Inbound precisa ser repensado. Não é que não funcione! Pode funcionar muito bem, mas como o público que deseja engajar é normalmente um público corporativo e de cargos altos, materiais ricos não são o foco. 

Nesses casos, a estratégia de Inbound Marketing precisa ser bem mais personalizada e direcionada a educar o mercado e garantir que o lead já tenha tido algum contato com a empresa. Assim, gerando conhecimento da sua empresa e funcionamento como estratégia de posicionamento!

É comum pensarem que o Inbound Marketing e o Marketing de Conteúdo são a mesma coisa. Mas, não são! O Inbound Marketing é sobre o direcionamento da comunicação, em que a empresa é encontrada e não o contrário. O Marketing de Conteúdo é uma das estratégias que fazem parte do Inbound, como forma de atração.

 

Outbound Marketing

O Outbound Marketing são as estratégias tradicionais de marketing, em que a empresa procura o cliente e apresenta o produto ou serviço de modo ativo e pago. São as formas mais tradicionais de fazer publicidade como anúncios de rádio, tv, revista, telemarketing, outdoor e anúncios digitais.

O Outbound continua sendo uma estratégia eficaz para resultados de curto prazo e de efeito massivo. Um bom planejamento de marketing deve compor o Inbound com o Outbound.

A estratégia teve uma adaptação ao formato digital e ganhou uma versão conhecida como Outbound 2.0. A internet possibilitou que todas as ações sejam baseadas em métricas, com cálculos reais do retorno do investimento (ROI). Algo que os modelos tradicionais como tv e rádio nunca garantiram com exatidão. Saiba mais vantagens e desvantagens do Outbound.

Funil Y

Se você trabalha na área de marketing digital certamente o funil de vendas faz parte do seu dia a dia. O funil de vendas é um representativo da jornada de compras do seu cliente.

Com as novas estratégias de marketing digital, o funil de vendas foi readaptado para o Funil em Y. Essa nova versão faz a junção das estratégias de Inbound e Outbound Marketing.

O funil Y leva em consideração a nova realidade do marketing digital, a jornada do cliente mais eficiente. O objetivo é criar pontes que do Inbound e Outbound de modo que elas sejam integradas de acordo com a maturidade do lead.

Para ter um bom funcionamento o Funil Y é necessário o alinhamento entre as equipes de marketing e vendas. O trabalho em equipe é a chave para conseguir melhores resultados, evitar as barreiras do funil e fechar mais clientes. Veja como funciona o Funil de Y etapa por etapa e conheça seus benefícios. 

 

Conclusão

A definição do posicionamento digital é o ponto de partida para a construção de uma marca forte e um negócio de sucesso. Entender o propósito do seu produto ou serviço e a percepção que o público têm dele auxilia na construção de estratégias mais eficientes e com discursos coerentes.

Como vimos, estratégias de marketing de conteúdo e personalização são o que vão fazer a diferença na hora de posicionar a sua empresa perante a concorrência. Assim, ficará mais fácil conquistar novos negócios e construir um relacionamento bom e duradouro com seus clientes.

Escalar Healthtechs: tendências e táticas para gerar negócios

healthtechs

Em meio às crises enfrentadas em todo o mundo, as healthtechs ganharam escala e a atenção dos investidores. O setor de saúde nunca esteve tão em alta como no último ano. No Brasil, as healthtechs se fortaleceram ao entregar soluções inovadoras para dores que estavam latentes no mercado e estão permitindo a transformação digital do setor.

As inovações na área da saúde estão revolucionando o mercado. Agentes mais tradicionais estão sendo obrigados a virar os olhos para a importância da tecnologia. As tendências para os próximos anos são de um cenário futurista, como robôs, dispositivos inteligentes e dados auxiliando na criação de soluções ricas e que podem salvar muitas vidas.

Engana-se quem pensa que essa é uma realidade ainda distante, já existem muitos players locais atuando nessa transformação. Em meio a um setor gigantesco cheio de oportunidades, as healthtechs têm um novo desafio: se diferenciar e ganhar escala no mercado.

Nesse cenário, o marketing digital é o melhor meio para as empresas se posicionarem com autoridade no mercado, tornar sua empresa conhecida e conquistar novos negócios.

Nesse artigo vamos abordar o crescimento do mercado das healthtechs no Brasil e conhecer as tendências para 2021. Também vamos mostrar as estratégias de marketing digital que estão em alta e que podem te ajudar na construção de uma marca forte e com presença digital. 

 

Crescimento do mercado de healthtechs

O ano de 2020 foi sem dúvidas um ano marcante para as healthtechs. A pandemia do Covid-19 e a crise econômica acabaram destacando empresas e acelerando o crescimento do setor. Ao que tudo indica as pesquisas, a atenção dos investidores continua voltada para o setor da saúde em 2021.

A inovação na área da saúde ganhou relevância e atraiu atenção dos investidores no Brasil. Segundo relatório da Distrito, somente no último ano os aportes em healthtechs foram 70% maiores do que o investido no setor em 2019, com a marca de mais de US $106 milhões.

Mais da metade das healthtechs tem menos de cinco anos de operação no país, o que mostra que é um mercado em amadurecimento e com muita oportunidade. Principalmente porque o Brasil ainda possui diversas falhas no sistema de saúde.

As healthtechs desenvolvem soluções para problemas não cobertos pelo governo e colaboram para aprimorar o nível tecnológico do setor. O cenário desmascarou falhas no sistema de saúde e fortificou o quanto a inovação é necessária.

 

Tendências do setor

Os avanços na tecnologia vêm impactando diversas áreas e proporcionou uma revolução no setor de saúde em todo o mundo. Uma tendência geral que se destacou no último ano foi uma mudança no comportamento da população em relação à sua própria saúde.

O paciente se tornará cada vez mais preocupado em tomar medidas de prevenção contra doenças e ter uma participação ativa em decisões que envolvem o seu bem-estar. As pessoas revelaram o interesse em controlar sua própria saúde.

Mais do que nunca é esperado transparência das informações, o que impacta na relação do paciente com o médico ou profissional de saúde. Isso forçou empresas e startups a se concentrarem ativamente na experiência do cliente (CX), a qual tem se tornado prioridade.

Em paralelo se fortaleceu a medicina de precisão através das pesquisas genéticas, uma tendência que reúne conhecimentos de diferentes campos científicos. O objetivo é customizar os tratamentos de acordo com o perfil genético individual, buscando tratamentos mais efetivos e com menos efeitos colaterais.

A busca por precisão e efetividade tem como aliada a análise de dados e a tecnologia. Seguindo este caminho, empresas têm buscado trabalhar com ecossistemas para buscar soluções para problemas emergentes ou pré-existentes.

A inovação tecnológica é o grande pilar desse ecossistema. As principais tendências da tecnologia aplicada no setor de saúde para os próximos anos são:

Robótica

A utilização de robôs em hospitais e clínicas já é uma realidade e tende a ficar cada vez mais comum. Os computadores ajudam na detecção de doenças e a fazer atendimento interativos para casos leves ou em busca de prevenção.

Robôs também estão sendo projetados para serem capazes de realizar tarefas repetitivas e monótonas, serem assistentes médicos e até no desenvolvimento de unidades cirúrgicas que podem realizar procedimentos que salvam vidas.

A heathtech Laura criou o robô Laura, que vem ajudando médicos e enfermeiros do Paraná a salvar vidas e a reduzir os casos de infecções graves. Através da inteligência artificial a robô Laura identifica anomalias nos processos dos pacientes. 

Ainda existe bastante ceticismo por parte de profissionais e pacientes em relação ao uso da tecnologia em alguns casos. Mas, estudos mostram que a tecnologia se tornará prevalente em 90% dos hospitais.

 

Big Data e Bockchain

Vivemos em tempos em que graças às tecnologias mobiles as pessoas geram dados o tempo todo. Nos últimos anos cresceu muito o uso de serviços ou aplicativos de saúde online, que tem gerado dados preciosos para as empresas.

O monitoramento tecnológico permite acompanhar medidores de atividade física, sinais vitais, pressão sanguínea, biossensores. Dados ricos que permitem maior previsibilidade sobre onde ou quando as intervenções são necessárias.

Os dados por si só não dizem nada se não forem convertidos em benefícios, neste caso, para as pessoas e instituições. Os dados são fonte para pesquisas e melhores tratamentos. 

Melhorias na ciência de dados e análise preditiva tornaram possível para os profissionais buscarem insights mais profundos. Podemos dizer que são os maiores ativos no campo das pesquisas em tecnologia da saúde. 

Como no mercado de tecnologia geral, garantir a segurança desses dados é fundamental. O Blockchain é considerado a criptografia mais potente existente hoje. Para o setor de saúde, será o grande trunfo contra vazamento de dados, blindando pacientes e instituições.

 

Iot

IoT é a abreviação da expressão em inglês “Internet of Things”, que descreve a rede de objetos físicos que são incorporados a sensores, software e outras tecnologias com o objetivo de conectar e trocar dados com outros dispositivos e sistemas pela internet.

Na medicina, o IoT é aplicado a partir de dispositivos vestíveis (wearables) e equipamentos médicos mais complexos que também funcionam conectados à internet. Esses dispositivos permitem coletar dados diariamente e armazená-los, possibilitando análises mais detalhadas.

Por exemplo, pode-se coletar dados de um paciente enquanto ele mantém sua rotina normalmente. O registro é feito de forma automática e são transmitidos para a clínica, que pode analisá-los na composição do indivíduo.

Recife tem se mostrado um polo em potencial. A startup Salvus  oferece excelentes soluções através de uma plataforma de IoT,  transformando a aquisição e gestão dos dados de pacientes, estrutura e logística. 

Outro nome promissor da região é a Senfio  A healthtech realiza o monitoramento de temperatura e umidade de ambientes, vacinas, câmaras frias, CPDs, estoques, geladeiras e freezers com a tecnologia IoT.

 

IA

A inteligência artificial (IA) aplicada no setor de saúde vem ultrapassando barreiras. O uso de chatbots é um exemplo disso, que tem sido usado por diversas instituições no atendimento ao paciente.

Mas, o uso da IA não ficará restrito a automação mais “simples”.  O aprendizado de máquina tem sido usado em outras vertentes, como na redução do tempo de desenvolvimento de medicamentos.

Em 2020 a IA ganhou espaço no mercado por causa da sobrecarga do trabalho de médicos e profissionais da saúde. Atualmente, já são 58 healthtechs atuando nessa categoria. Com o surgimento de novas tecnologias de ponta, esse número deve seguir aumentando ao longo deste ano.

A healthtech Hoobox Robotics é um grande case brasileiro. A primeira healthtech do mundo focada em reconhecimento facial de alta precisão para segurança e bem-estar de pessoas e redução de custos em diferentes setores.

De acordo com o relatório Healthcare 2030, da consultoria KPMG, o setor deve fazer investimentos significativos em soluções como ferramentas genéticas, calculadoras de risco, algoritmos de detecção de doenças raras, machine learning e análise preditiva, entre outras.

 

Realidade virtual e Realidade Aumentada

A realidade virtual e realidade aumentada já são usadas na medicina para tratar doenças físicas e psicológicas. Algumas aplicações das tecnologias são na recuperação de derrames e deficiências corporais, alívio da dor, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático.

O ambiente imersivo distrai o paciente da dor física e até mental, sem risco de dependências. Além disso, o treinamento médico também tem sido aperfeiçoado com o uso de realidade virtual. A realidade virtual também já tem sido usada em cirurgias. Pesquisas mostram que os investimentos dessas tecnologias na área de saúde digital devem mais do triplicar até 2026.

 

Cloud Computing

Cloud Computing é um serviço onde recursos compartilhados, softwares e informações são fornecidas apenas com conexão à internet. Nuvem é esse local na rede onde é possível acessar arquivos e serviços de forma segura, rápida e colaborativa.

Os usos das plataformas de nuvem aumentam a colaboração entre médicos e pacientes, tornando o processo de consulta mais eficiente. A principal vantagem é a integração de dados independente do ponto de origem ou armazenamento.

A healthtech Ambra Saúde  foi criada no EUA, mas atua no Brasil desde 2013 e é referência mundial em armazenamento e gerenciamento de imagens médicas em nuvem. A empresa simplifica o processo de compartilhamento de imagens médicas, conectando instituições de saúde, médicos e pacientes.

A nuvem auxilia na operação da análise de Big Data e dos algoritmos de Inteligência Artificial, impulsionando a pesquisa médica. Também democratizar o acesso a dados, fornecendo informações fáceis aos pacientes.

A tecnologia ajuda a suprir a demanda da população em ter maior controle sobre sua própria saúde, sendo uma ferramenta para a educação e o envolvimento do paciente.

  

 

Tendências do marketing digital no mercado tech

O crescimento do mercado das healthtechs reforça a necessidade das empresas se posicionarem de forma estratégica e buscarem táticas criativas para despertar o interesse do cliente. 

Pensando nisso, nós da SEJA separamos tendências do marketing digital para o mercado de tecnologia. Veja as estratégias que podem ajudar a destacar a sua healthtech:

 

Inbound Marketing

Você certamente já deve ter ouvido falar no Inbound Marketing. Se já pratica na sua empresa, a boa notícia é que essa é uma estratégia que se mantém forte para 2021!

O Inbound Marketing é uma estratégia voltada para a atração de leads a partir de conteúdos relevantes. Quando falamos de Inbound falamos na direção da comunicação: a empresa é encontrada pelo consumidor.

Por isso, o conteúdo é a base do Inbound. A metodologia que se segue é atrair, converter, fechar e encantar potenciais clientes. Tudo funciona a partir de uma boa segmentação de quem é o seu perfil de cliente que deseja atingir e criação da persona.

Em vendas complexas, comuns no mercado de tecnologia, o Inbound Marketing é uma excelente estratégia de posicionamento da marca. É um mercado Business to Business (B2B), com ticket médio alto e mais de 4 tomadores de decisão no processo de compra. Essas empresas precisam de leads qualificados e não de volume. O Inbound ajuda na geração de conhecimento da marca e autoridade digital.

Adaptar o Inbound ao modelo de negócio é fundamental para ter bons resultados. Se deseja saber mais sobre o Inbound Marketing temos aqui um artigo completo sobre a estratégia. Nesse outro artigo abordamos os motivos pelos quais o Inbound pode não ter gerado o resultado esperado na sua healthtech.

 

Outbound 2.0

O Outbound Marketing é o marketing tradicional, em que a empresa corre atrás do cliente para apresentá-lo seu produto ou serviço. É o marketing interruptivo dos anúncios de televisão, rádio, sites e mídias sociais.

A difusão da internet trouxe uma readaptação do Outbound para o seu modelo 2.0. Essa atualização tem como foco o uso dos novos meios digitais para a prospecção ativa de leads. 

O digital permite mensurar resultados, com métricas e cálculos reais do retorno do investimento. Isso garante às estratégias de Outbound 2.0 mais eficiência e resultados expressivos, o que tem despertado atenção das empresas de tecnologia. 

 

ABM

O Account-Based Marketing, em português Marketing Baseado em Contas, é a grande tendência no mercado B2B e a aposta para o segmento tech. É o marketing focado em contas pré definidas com uma comunicação altamente personalizada, ideal para processos de vendas complexas.

O ABM faz o caminho inverso do Inbound. A estratégia é fruto de um trabalho em equipe das equipes de marketing e vendas, que partem da definição de um perfil de cliente ideal e quais são as empresas/contas que se encaixam dentro desse perfil.

A partir da lista de empresas/contas que deseja atrair para o negócio cria-se uma estratégia de marketing específica para elas. Tudo baseado na produção de conteúdo personalizado para atender as dores e necessidades dos tomadores de decisão das contas.

O objetivo é gerar conexão, engajamento e negócio com os leads. Por causa da alta personalização, o ABM traz resultados impressionantes no ROI (Retorno sobre o investimento) e tem sido muito praticada no mercado corporativo.

Ficou interessado? Nesse artigo você pode conhecer mais sobre o ABM. 

 

Conteúdo focado na dor

A era digital trouxe muitas mudanças para o mercado tanto em termos de concorrência quanto no comportamento do consumidor. O consumidor digital é bombardeado com informações diariamente. Isso fez com que ficasse cada vez mais exigente e intolerante às propagandas.

O conteúdo é o segredo para vencer essa barreira! O objetivo é entreter e engajar o consumidor com conteúdo de qualidade de forma que ele crie afeição pela marca e valorize esse relacionamento. 

Mas, como criar esses conteúdos? Para despertar o interesse do consumidor os conteúdos precisam ser planejados pensando nas dores ou necessidades dele. Você deve pensar o que é problema para ele e de que forma pode ajudá-lo. 

Para isso é preciso conhecer a fundo o seus clientes, por dentro e também por fora. Fazer o mapa de empatia da sua persona pode ajudar bastante no processo. Assim será capaz de apresentar ideias de conteúdo que seus concorrentes não terão como alvo. 

O conteúdo é a parte mais importante das estratégias digitais. Por isso, ele é o que determina o sucesso das principais estratégias de marketing atuais: o ABM, o Inbound Marketing,  Outbound Marketing 2.0 e o SEO.

 

SKAGs

As campanhas Single Keyword Ad Group (SKAGs), em português Grupo de anúncio com apenas uma palavra chave, é uma estratégia de anúncio no Google Ads. 

Nessa metodologia você cria grupos de anúncios com apenas uma palavra chave e suas variações. A criação de grupos de anúncios bem restritos e específicos gera um CTR (clique por impressão) maior e menor CPC (custo por clique). Isso acontece porque os anúncios refletem exatamente o que os usuários estão buscando no Google.

Funciona da seguinte forma, imagine que você é uma healthtech que vende um software de gestão e análise de informações clínicas. A palavra chave “software de gestão clínica” é muito abrangente e tem uma procura alta. 

Com o SKAGs você pode criar grupos de anúncio pensando nos tipos específicos de público que deseja atingir “software de gestão clínica mais baratos” para o tipo de consumidor que se preocupa com o preço. Para os que prezam pela qualidade pode optar por “melhores software de gestão clínica”.

Ter o anúncio com uma palavra-chave específica para o seu objetivo aumenta significante as chances de receber um clique. Assim, aumentando o número de visitas, a taxa de conversão e diminuindo o custo geral.

 

Eventos

Os eventos corporativos são estratégias clássicas de relacionamento e geração de valor para as empresas. É a oportunidade de ouro de reunir pessoas interessantes e ter a atenção delas voltadas exclusivamente para você. Um cenário ideal para mostrar a força da sua marca e criar relacionamento no mercado.

Claramente em tempos de pandemia os eventos presenciais precisaram ser adaptados. Ainda não estamos em tempo de grandes reuniões que promovam o contato face a face que é tão importante.

Mas, diante das adversidades, vimos a tecnologia despontar com as ferramentas de videoconferência. As opções virtuais de Eventos, Meetings e Webinars cresceram muito em 2020 e se consolidaram no mercado. A tendência é que os eventos virtuais se mantenham como forte estratégia de marketing para os próximos anos.

 

Conclusão

O mercado das healthtechs no Brasil está apenas começando a se desenvolver e seu ecossistema está se organizando para abraçar todas as novidades. Não há dúvidas que as inovações na área da saúde vão continuar a crescer e gerar uma revolução ainda maior no mercado.

As healthtechs precisam se posicionar e ter uma boa estratégia de marca para se consolidar no mercado e conquistar novos negócios. Nessa jornada, definir a estratégia de marketing digital certa para o seu negócio é fundamental! 

O marketing será o seu melhor aliado para construir o reconhecimento da sua marca e se tornar uma autoridade de mercado.

Business Analytics x Business Inteligence: qual a diferença?

Business Analytics x Business Inteligence

 

Neste artigo, vamos entender melhor o que é o Business Analytics, quais as diferenças comparando com o Business Inteligence. Além das principais técnicas utilizadas pelo BA. Vamos nessa:

  • O que é o Business Analytics
  • Diferença entre Business Analytics e Business Intelligence
  • Principais técnicas do Business Analytics
  • Porque escolher o Business Analytics
  • Como implantá-lo na sua empresa

 

O que é o Business Analytics?

Business Analytics ou, em português, análise de negócios é o processo de avaliar e analisar os dados que a sua empresa dispões e utiliza para tomar decisões data-driven.

Esse conceito de Business Analytics  vai muito além de olhar para os número e ver o que houve. O objetivo é fornecer informações sobre o por que das coisas acontecerem da maneira que aconteceram e sugerir etapas para a continuação.

Com essa estratégia, teríamos mais ação do que teoria. Ou seja, interpretar os dados para ter respostas e não apenas para entender o cenário. 

 

Principais características do Business Analytics:

  • Velocidade
  • Otimização e entrega de resultados práticos
  • Noções qualitativas e quantitativas
  • Exploração aprofundada do tema

 

Diferença entre Business Analytics e Business Intelligence

Os conceitos de Business Analytics e Business Intelligence são bem parecidos, porém, um é uma evolução do outro. 

O Business Analytics surgiu do BI, aprimorando e desenvolvendo as técnicas e métricas. Isso, porém, não quer dizer que o BI é ultrapassado ou desnecessário a sua empresa. O BI se faz muito mais útil para auxiliar os gestores no planejamento e na elaboração de estratégias. Já o BA é mais abrangente e envolver também, outros recursos de estatísticas.

Resumindo:

Business Intelligence: ferramenta para estruturar um sistema de métricas e análise de dados;
Business Analytics: recurso mais aprofundado que se baseia em informações para propor abordagens diferentes;

 

Principais técnicas do Business Analytics

Ao conhecer as técnicas do BA fica mais fácil de entender como que ele funciona. As técnicas referentes ao BA são divididas em duas: básica e profunda.

Inteligência básica de negócios

Envolve examinar dados históricos! E assim, ter noção de como um departamento, equipe ou colaborador obtinha resultados durante certo tempo, por exemplo. Essa é uma prática madura que a maioria das empresas já faz uso.

Análise estatística mais profunda

Realizar análises preditivas aplicando algoritmos estatísticos a dados históricos, fazendo  previsão sobre o desempenho futuro de ações, produto ou site. Nesse caso, entra também algumas outras análises avançadas, como análise de cluster. Nela é necessário agrupar clientes com base em semelhanças entre vários pontos de dados.

 

Principais ferramentas de Business Analytics

Diversas tecnologias são empregadas em uma estratégia de Business Analytics. Elas podem estar agrupadas em quatro grupos:

  1. Ferramentas de visualização de dados;
  2. Softwares de Business Intelligence;
  3. Plataformas de análise de auto-atendimento;
  4. Ferramentas de análise estatística;
  5. Plataformas de Big Data.

 

Porque escolher o Business Analytics?

As empresas estão começando a utilizar análises para gerar conhecimento. Entre os benefícios usados com este recurso estão:

  • avaliação da concorrência;
  • avaliação do histórico da empresa;
  • confiabilidade das informações;
  • agilidade nos planejamentos;
  • auxílio na elaboração de planejamentos estratégicos;
  • melhoria na organização de processos;
  • redução de erros e falhas;
  • redução de duplicação de tarefas;
  • redução de custos;
  • elaboração de estratégias de marketing digital mais personalizadas;
  • melhores perspectivas de crescimento, com base nas informações levantadas.

O uso dessa ferramenta em colaboração com o BI ou com o Big Data aumenta o nível de eficiência da análise. Portanto, todos esses recursos podem, e devem, ser implementados em conjunto no dia a dia do planejamento estratégico da sua empresa. A coleta e análise de dados são o primeiro passo para qualquer tomada de decisão, especialmente as relacionadas às grandes mudanças.

 

Como implantá-lo na sua empresa

Agora que você já sabe o que é o Business Analytics, deve estar se perguntando como adotar essa estratégia em sua empresa. Vamos verificar os principais passos para adotar o Business Analytics em sua empresa.
 
 

Levantamento das necessidades do negócio

A primeira etapa consiste na identificação do processo que a empresa gostaria de melhorar ou no problema que deseja resolver. Os dados que serão relevantes para resolver o objetivo final devem ser decididos pelas partes interessadas, bem como pelos usuários com conhecimento dos processos e pelos analistas que desenvolvem as ações relacionadas.

Análise dos dados

É preciso fazer uma limpeza e um filtro dos dados, removendo outliers e fazendo uma combinação de variáveis para criar conjuntos de dados. De primeiro momento, a ideia é encontrar padrões gerais e insights acionáveis que podem indicar caminhos mais direcionados.

Em seguida, usando métodos de análise estatística, deve-se buscar todos os fatores relacionados à variável de destino. Da mesma forma, é preciso executar uma análise de regressão para identificar previsões simples e rápidas.

Previsão de probabilidades

Como falamos antes, o Business Analytics é sobre ações. Por isso, esse é o momento de modelar os dados aplicando técnicas preditivas que incluem árvores de decisão, redes neurais e regressão logística.

Essas técnicas em conjunto vão revelar padrões e insights importantes para identificar relacionamentos e “evidências ocultas” das variáveis mais influentes. Assim, é possível comparar os valores preditivos com os reais e calcular os erros possíveis.

Busca da melhor solução

Depois de analisar todas as variáveis, é hora de aplicar os resultados para criar cenários hipotéticos. A partir de metas definidas pelos gestores, será possível determinar a melhor solução, pensando nas restrições e limitações fornecidas. A solução final deve ser aquela com o menor erro possível e metas de gerenciamentos alinhadas ao objetivo estratégico.

Tomada de decisão

Com base em todas as informações levantadas e cenários criados, os gestores conseguiram tomar decisões mais eficazes e evitar erros, pois todas as variáveis já foram testadas antes.

Nesta nova era digital, utilizar os dados para entender mais sobre o negócio e tomar decisões é fundamental para o sucesso de qualquer empresa. Nesse sentido, o Business Analytics é muito útil para estruturar todo o processo de avaliação e mensuração desses dados para alcançar o melhor resultado, em menor tempo e com menor custo.

 

Como fazer um planejamento de Marketing digital para gerar vendas em 2019

Com o novo ano que chega, novas metas e objetivos são colocadas no papel para atingirmos o sucesso de vendas, aumentando lucro e trazendo mais prosperidade para a empresa como um todo.

Mas é importante que tais planos saiam do papel! E para que tudo isso se torne realidade, é de suma importância realizar um bom planejamento de Marketing digital para gerar vendas.

É comum, no entanto, ver que a maioria dos planejamentos de Marketing digital não passam de ações médias e que acabam não levando a lugar algum, causando frustração no empresário.

É necessário entender que o Marketing não é apenas um setor, mas um braço importante para que tudo na empresa funcione e faça a mesma crescer.

Por este motivo, elaboramos um verdadeiro guia para que seu planejamento de Marketing digital gere vendas e faça seu negócio decolar neste e nos próximos anos!

Acompanhe nossa postagem e compartilhe com gerentes, sócios e todo mundo que se interesse pelo assunto e possa fazer a empresa crescer!

 

Antes de tudo: o que é um plano de Marketing?

Quando você planeja algo para sua vida particular, como a compra de um carro, por exemplo, você tem que pensar como você irá conseguir isso. Não basta apenas desejar.

Para tal, você precisará sentar e estabelecer ações para atingir seu objetivo. Para o exemplo dado acima, você precisaria economizar dinheiro, conseguir boas taxas de juros ou uma renda extra.

E para a sua empresa é a mesma coisa. Você precisa definir, junto ao seu time, um conjunto de ações (ou o caminho) realistas para atingir o seu objetivo.

No caso da sua empresa, é de suma importância registrar tais ações e objetivos e distribuir para todo o time, mesmo para setores que, à primeira vista, não pareçam relevantes.

Afinal, é a partir do conjunto de ações que todos os outros mecanismos e comportamentos irão se basear para funcionar. Em outras palavras, é assim que todo mundo saberá para onde deve nadar.

 

Alguns exemplos de objetivos e ações são:

Objetivo: aumentar o número de leads no meu negócio

Ações: investir 20% da verba de Marketing em mídia paga e segmentada

 

Objetivo: aumentar a taxa de sucesso no fechamento de vendas

Ações: investir R$ 15 mil reais em treinamento de vendas e atendimento

 

Objetivo: diminuir a taxa de cancelamentos de contratos

Ações: elaborar pesquisas de satisfação e aumentar ações pró-ativas

 

Planejamento de Marketing e seu Financeiro

No início do texto falamos sobre a compra do carro e como você deveria economizar e encontrar outras fontes de renda como meio de atingir esse objetivo, certo?

Ligar planejamento ao financeiro é sempre um caminho óbvio, e com o Planejamento de Marketing da sua empresa não é diferente.

Definindo verbas para seu Planejamento de Marketing

Existe uma máxima velada que diz que para ganhar dinheiro, você precisa investir dinheiro. Mas não é por isso que você deve criar dívidas de forma insensata.

É importante que você tenha ciência total de como está a saúde financeira da sua empresa para que decisões possam ser tomadas sem que tenha prejuízos lá na frente e perder dinheiro duas vezes.


Lembre-se de olhar para CAC

Por isso, saber fazer contas é essencial para que qualquer empresa vá para frente, além de ter o senso crítico de saber o que está valendo ou não a pena.

Um exemplo clássico disso é o custo de aquisição de clientes, o famoso CAC. Existem casos de empresas que vendem, têm faturamentos generosos, mas estão sempre mal financeiramente.

Claro que existem muitos motivos que podem levar à essa realidade, mas é um fato que poucas vezes olham para o CAC.

Isto é, tais empresas gastam um alto valor para conquistar o cliente, mas os contratos nunca conseguem suprir o dinheiro apostado.

 

Não deixe suas métricas de lado

Analisar as métricas, mensurar resultados e estar sempre de olho nos gráficos e números é algo de extrema importância, mas percebemos que muitos líderes deixam passar.

É através da análise de números e dados que você consegue perceber o que está dando certo, o que está trazendo retorno (e o que não está) e localizar o ralo por onde seu dinheiro está saindo.

 

Estruturando seu Planejando de Marketing

Para que seu planejamento de Marketing seja realmente eficente para sua empresa, e passe do estágio de plano para ação, você pode começar estrutura dessa forma:

1 – Faça um estudo sobre sua empresa

Antes de falar de metas, objetivos, investimentos e por aí vai, é importante estudar e desenhar a atual realidade da sua empresa.

Quais são seus produtos, diferenciais, posição em relação ao mercado, fraquezas, pontos fortes, problemas, pontos positivos etc.

O principal intuito aqui é manter seus pés no chão, conseguir enxergar o cenário como um todo, perceber onde está inserido e, claro, entender qual é o seu potencial.

2 – Defina bem seus clientes, saiba quem eles são

Outro fator de suma importância é entender e definir bem quem são seus clientes, onde estão, o que fazem, como se comportam etc. Sim, você tem que saber tudo sobre eles!

Só dessa forma você saberá como falar com seu público-alvo e atingi-los da maneira correta. Da mesma forma, é interessante estudar o nicho para que as campanhas sejam bem elaboradas.

Mais um detalhe: se você vende algum produto relacionado aos jovens que estão no ensino médio, você tem que criar campanhas para eles, mesmo que quem compre os produtos sejam os pais ou avós.

3 – Analise os concorrentes

Analisar a concorrência não significa ficar secando ninguém, menos ainda copiando ideias ou estratégias. Não encare dessa forma.

A análise de concorrência, na verdade, está mais voltado para “fazer parte do papo do mercado e entrar na competição” do que qualquer outra coisa. E é essencial que você o faça.

Busque analisar como eles se comportam, como vendem e como consquistam clientes. A partir disso, busque diferenciais, melhorias e analise seu prosicionamento  em relação aos mesmos.

4 – É hora de definir as ações de Marketing

Como dito e exemplificado acima, as ações de Marketing vão depender diretamente do seu objetivo. Você deve encarar este ponto como o caminho para atingir o principal.

Um dos maiores erros neste ponto é não ser realista e acabar criando objetivos e ações que são quase impossíveis de serem atingidas com a realidade da empresa.

Mas, se você seguiu todos os pontos até aqui à risca, é certo que você não cairá neste erro e conseguirá formar objetivos e ações que façam sentido.

5 – Crie um cronograma

Planejamento de Marketing nenhum funciona sozinho. Para que ele seja posto em prática, é ideal que você você crie um cronograma de ações.

Cada ação deve ter um momento de início e a previsão de duração. Dessa mesma forma, é necessário que você vá avaliando, conforme o tempo passa, os resultados atingidos.

Conforme os resultados, você pode ir ajustando os erros e potencializando acertos até encontrar o ponto ótimo das suas ações.

Pontos importantes do planejamento de Marketing que todo mundo ignora

Pense de forma global ao estruturar seu plano de Marketing. É importante que seu planejamento de Marketing para gerar vendas não seja algo isolado, feito unicamente dentro do seu escritório e por uma única pessoa.

É necessário criar um verdadeiro estudo, que vai muito além de apenas traçar objetivos em um papel. É por esse mesmo motivo que é interessante unir a experiência de vários integrantes do seu time.

Assim, com o conhecimento de um e de outro, vocês conseguem ter uma visão muito mais ampla e totalmente realista para fundamentar seu planejamento de Marketing.

Não esquecer do principal: sua empresa! 

Mas vai além: é necessário colher ou resgatar informações sobre sua empresa, seus valores, sua visão, como você quer ser visto no mercado.

Se sua empresa não possui nada do tipo, é importante correr atrás destas informações para ontem. Assim, você conseguirá ter uma visão mais ampla e uma identidade a ser seguida.

Conhecer sua persona tão bem quanto você mesmo

É essencial buscar quem é a sua persona, ou o seu cliente ideal. Desenhe-o, dê um nome, entenda quem é essa pessoa que você está procurando.

Assim você não só sabe com quem se comunicar, mas como se comunicar e investir na comunicação com essas pessoas. Não adianta gastar dinheiro com quem não é interessante.

Não deixar a concorrência esquecida

Estude seus concorrentes. É básico conhecer o que eles estão fazendo, como estão fazendo, o que está em alta no mercado e o que você pode fazer ou não para competir.

Saber o que está acontecendo no mercado e os rumos que o mesmo está tomando é essencial para que você cresça, apareça e saiba como se posicionar, caso seja questionado.

Fazer cronogramas do seu plano de Marketing

É importante dizer também que não basta criar um planejamento de Marketing e deixá-lo sem atenção. Você tem que acompanhá-lo e estabelecer um cronograma.

É só através do monitoramento que você saberá como anda a execução do projeto e, assim, poderá fazer um levantamento de dados e definir sua taxa de sucesso.

Se este guia foi interessante para você e para seu negócio, compartilhe e deixe seu comentário. Em caso de dúvidas, perguntas ou querendo trocar uma ideia, entre em contato conosco!

Aproveite e leia os outros materiais do nosso blog. Sempre atualizamos com assuntos pertinentes para fazer seu negócio crescer!

QUER RECEBER MAIS CONTEÚDOS COMO ESSE?

Cadastre-se e receba toda semana novos conteúdos sobre Marketing Digital


    7 Dicas de Marketing Digital para Startups

    Marketing digital para startups

    Iniciar seu próprio negócio envolve dois grandes sentimentos, na falta de uma expressão melhor: a animação e a ideia de estar embarcando em um bom desafio.

    Contudo, antes de pular a bordo de qualquer tipo de investimento ou negócio, é bom estar preparado para os a série de responsabilidades que você terá.

    Não tem como amenizar: ninguém alcança a estabilidade da noite para o dia. Menos ainda conquista share de mercado ou vira capa de revista.

    Chegar ao seu objetivo (se você não tem um objetivo palpável definido, o faça), no entanto, não é nada impossível. Basta foco, trabalho, foco, investimento, conhecimento e foco.

    E, claro, algumas dicas de Marketing Digital para Startups sempre são muito bem-vindas e podem ser de grande utilidade para você!

     

    Não negligencie a experiência do usuário

    O público da sua startup é o seu foco e deve ser caro a você. É importante que o público engaje, conecte, crie um laço com você, mesmo que seja de simpatia.

    Por isso, não deixe de investir na experiência do usuário. Faça com que a informação que a sua startup tem para passar seja clara e de fácil acesso.

    Além disso, procure sempre se comunicar com eficiência, e de forma estratégica. Busque informar e inspirar quem tem acesso aos seus conteúdos.

    Ao criar ou fazer um upgrade em seu site, procure pensar no conforto do usuário: desde a velocidade de carregamento até a facilidade de navegação.

    Procure criar maneiras de se conectar, efetivamente falando, com seu público. Isto é, através de formulários e de links para as redes sociais.

     

    Faça conteúdo. Muito!

    Uma outra maneira de fazer sua startup crescer é através do conteúdo, mas é importante que ele seja completo, fresco, de alta qualidade e com pitadas de criatividade.

    Pois de conteúdo morto e para encher linguiça tem aos montes por aí. Para que sua estratégia de Marketing Digital para Startups dê certo, fuja desse tipo de conteúdo tolo.

    Entenda que o usuário busca por informações em que pode confiar, cuja leitura seja boa e fluida. E é através dele que as pessoas engajam e sentem sua credibilidade.

     

    Esteja nas redes sociais

    Não importa qual é o negócio da sua startup, se for para fazê-la crescer, esteja nas redes sociais. Essa é uma das principais dicas de Marketing Digital para Startups!

    Agora, é importante levar em consideração alguns pontos:

    • Você não precisar estar, necessariamente, em todas as redes sociais: afinal, nem todas são ideais para seu negócio e, por isso, você pode estar gastando cartucho à toa;
    • Um conteúdo para cada rede social: da mesma maneira, cada rede tem sua personalidade, sua funcionalidade e seu público. Procure criar conteúdos separados e tire proveito de suas vantagens;
    • Estar nas redes sociais não significa postar e sumir: procure interagir com os usuários, trocar ideias, experiências, entenda suas expectativas e dores. Esses pequenos feedbacks podem ser valiosos para você!

     

    Invista em Marketing Digital

    Você está em um blog de uma agência de Marketing Digital e, por isso, podemos falar sem medo que o custo de investimento em Digital é infinitamente menor que a mídia tradicional.

    E com a ajuda do Marketing Digital, você certamente poderá encontrar seu público e aqueles que estão realmente interessados em comprar seu produto.

    Outra grande vantagem do Marketing Digital é a possibilidade de mensurar tudo: cliques, impressões, engajamento, acessos, downloads etc. O que nos leva ao segundo tópico.

     

    Sempre mensure resultados

    A grande vantagem do Marketing Digital para Startups, seja para startups ou não, é a possibilidade de mensurar ações em todos os detalhes.

    E quer um conselho? Nunca deixe esses números passarem sem serem vistos. Pelo contrário, acompanhe a taxa do seu negócio e use esses dados a seu favor.

    Dessa forma você conseguirá identificar possíveis problemas no seu negócio, além de encontrar insights para conteúdos ou para melhorias.

    Além disso, você poderá perceber que um determinado investimento está tendo bom retorno ou não. Às vezes insistimos em algo, sem realmente entender se vale a pena!

     

    Vídeo é o futuro e o futuro já começou

    Sem querer citar o hino de final de ano de uma emissora, o vídeo é o futuro. E, se sua startup quer estar presente no futuro, então invista em vídeo.

    Os vídeos permitem que você se comunique de forma extensiva e possuem diversas finalidades a depender do canal em que será exibido.

    Você pode, por exemplo, fazer webinars para falar sobre um determinado produto, serviço ou ensinar sobre algo que seja relevante para seu mercado.

    Por exemplo: como escolher o melhor investimento para fazer em 2019?

    Depoimentos, receitas, dicas, DIY, chamadas, tutoriais, enfim, são inúmeras possibilidades que podem fazer um vídeo render e engajar seu público.

    E a boa notícia é que hoje em dia sua produção em vídeo é bem mais barata do que anos atrás. Isto é, você pode produzir conteúdo de qualquer lugar.

    Os celulares não deixam barato para as câmeras DSLR. A grande maioria dos aparelhos celulares conseguem fazer um trabalho bastante decente.

    E a edição está aí para ajudar!

     

     

    E-mail Marketing: não, ele não está morto.

    Definitivamente não está! O e-mail marketing faz parte de várias estratégias de Marketing Digital para Startups.

    Um dos motivos é que o ROI do e-mail marketing é bastante alto, visto que seu investimento é baixo e pode apresentar bastante retorno positivo.

    Através do E-mail Marketing, você pode manter uma conversa com seu usuário (a famosa nutrição de leads), informá-lo sobre novos produtos ou serviços e enviar ofertas.

    Mas, por favor, não pense em E-mail Marketing de forma simplista. Procure criar uma boa estratégia de E-mail, pensando em várias etapas, como:

    • Um assunto que seja cativante, engajador, que seja impossível não ser clicado;
    • Escreva de maneira persuasiva, não demore a entregar o ouro;
    • Crie um e-mail que seja prazeroso em ser lido;
    • Otimize seu e-mail de modo que as imagens não quebrem, fiquem incompletas ou deformadas em diferentes telas.

    Construir uma Startup de sucesso não é uma tarefa fácil, pelo contrário: é uma constante batalha para se manter competitivo.

    Contudo, escolhendo as estratégias corretas de Marketing Digital para Startups, você pode se destacar em um mar de concorrentes.

    Destacamos aqui no texto algumas das principais estratégias, mas ainda há muito mais a ser explorado!

     

    Se quiser trocar uma ideia com a gente, não deixe de entrar em contato conosco. Vamos adorar saber mais sobre seu negócio e ajudá-lo a ser um sucesso!

    Por que a cultura da velocidade não funciona para negócios

    cultura da velocidade

    Vivemos em um momento que tudo envolve velocidade: e isso vão de séries que já não demandam esperar por uma semana pelo próximo episódio até a conquista de clientes.

    É mais do que comum vermos promessas de resultados rápidos, seja para emagrecer ou para ganhar uma quantia significativa de dinheiro com fórmulas prontas e repetidas.

    Ao invés de ler, a alternativa de assistir ao vídeo ou ter acesso ao áudio de alguém lendo o conteúdo para mim, acaba sendo mais atraente e muitas pessoas já preferem assim.

    A cultura da velocidade espalha-se até para o âmbito profissional: quantas vagas pedem funções completamente distintas e igualmente trabalhosas para um único candidato?

    Fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo parece eficiente, parece econômico, mas a verdade é que, muito provavelmente, alguma dessas coisas está sendo negligenciada.

     

    Seu Negócio e a Senhora Velocidade

    Quando chegamos ao seu negócio, que é o nosso tema aqui, acredite: diminuir a velocidade pode significar melhores relações e, consequentemente, melhores vendas.

    Você já deve ter sido impactado por vídeos animados (ou não) de empresas falando sobre seu negócio. Geralmente estes vídeos estão em Redes Sociais, como o Youtube.

    E aí, recentemente, tive a oportunidade de participar da avaliação de uma empresa de animações para um determinado cliente. Com ele ao meu lado, assistimos ao portfólio.

    Os vídeos eram legais e bem feitos, bonitinhos de serem vistos, mas falharam quando quiseram explicar o negócio inteiro em 40 e poucos segundos.

    Mesmo com o recurso visual da animação, eu não entendi sobre o quê se tratava o produto, só que era algo imobiliário. Perguntei ao cliente: “Você saberia explicar o que é o produto?”

    E ele: “Não faço ideia do que seja˜.

    Em uma realidade em que 40 segundos já é um tempo imenso para anúncios no Youtube, era de se esperar que, ao menos, terminássemos o vídeo conhecendo aquele produto.

    Mas não foi este o ocorrido.

    Para piorar a situação, fui visitar o site para ver se conseguia entender qual era o negócio. Adivinha? O site não tinha nada além da logo e um formulário de contato.

    Sejamos sinceros: qual cliente real vai ver um anúncio, não entender, dar um pause no vídeo que realmente queria ver e correr atrás da informação? Nenhum, né?

    Isto é, podemos dizer com uma certa segurança que a empresa que pagou pela produção do vídeo perdeu dinheiro.

    Não tenho como saber o que aconteceu entre as reuniões de brainstorming e a execução da campanha, mas tenho a grande impressão de que a culpa foi da pressa.

    A maioria dos vendedores sabem que podem perder o interesse do possível cliente com facilidade. As pessoas simplesmente não têm tempo ou paciência.

    Mas, vendedor, de nada adianta tentar vender seu produto embolando palavras e jogando inúmeras informações. Ao invés de um cliente, você terá alguém assustado te olhando.

    E alguém assustado, te olhando e que nunca mais irá voltar assim que conseguir sair dali. E outra: que nem irá pensar em você, caso alguém peça indicação.

     

    Diminua a marcha e curta a paisagem

    Através de estratégias mais elaboradas, onde seu negócio e suas vantagens são passadas para o possível cliente de forma mais calma, abre-se margem para o maior esclarecimento.

    O maior esclarecimento evita futuras dores de cabeça e deixa o possível cliente a par de como tudo funciona. Usando essa transparência, ele ganha mais confiança em você.

    E quando ele sente mais confiança em você, ele tende a se abrir mais, explicar mais e dar outras informações que são mais relevantes e que ajudarão no seu trabalho.

    Isto é, a parceria em que a relação se transforma é benéfica para realizar um trabalho muito mais objetivo e que irá gerar frutos para os dois lados.

    Outra vantagem de diminuir o ritmo da corrida é poder ter a chance de exemplificar processos e explicá-los através de um vocabulário mais próximo ao do cliente.

    Inclusive, nós já falamos a respeito da questão de esquecer jargões da área e ser mais claro para o cliente neste post aqui. Acredite: isso faz aumentar suas vendas!

    Um outro exemplo que ilustra bem isso foi quando uma amiga ia participar de uma reunião sobre Marketing Digital e queria estar por dentro do assunto para se envolver na pauta.

    Lembro bem deste dia, pois ela me ligou e falou: “Rebecca, me fala tudo sobre Marketing Digital em dez minutos, antes de eu entrar na reunião!”

    Não tive outra escolha senão rir. Mesmo que eu conseguisse explicar o universo do Marketing Digital em menos de 10 minutos, você acha que ela entenderia tudo?

    Ainda sobre o conversar, atente-se ao seu tom de voz. Não precisa ter uma voz de radialista, menos ainda de anunciante de supermercado. Basta ser agradável!

    Falas arrastadas, preguiçosas, monossilábicas, sem vida, sem simpatia ou que parecem ansiosas em terminar a ligação não funcionam.

    Busque o conforto de um bate papo com amigos, tenha um tom agradável, vivo, quase risonho. Com certeza o cliente ficará mais à vontade.

    E, claro: sempre sem pressa!

    QUER RECEBER MAIS CONTEÚDOS COMO ESSE?

    Cadastre-se e receba toda semana novos conteúdos sobre Marketing Digital


      Como falar a língua do seu cliente e aumentar suas vendas

      aumentar suas vendas

      Um dos grandes desafios de quem quer vender é se comunicar com seu futuro cliente. E é justamente essa deficiência na comunicação que impede a conquista de novas vendas.

      Isso ocorre, pois já estamos acostumados à linguagem do nosso próprio nicho e a lidar com pessoas que falam o mesmo idioma que a gente.

      Portanto é fácil cair no vício de achar que todo mundo sabe o que A, B ou C significam, se empolgar e nem perceber o lead indo embora assustado com tanta informação.

      Mas não se preocupe: é certo dizer que conversar com o lead e explicar como todo processo funciona do seu negócio funciona pode ser realmente desafiador.

      O grande pecado está no fato de que se o pedido de explicação não partir do próprio lead, talvez a venda nunca irá se concretizar.

      Aperte os cintos: hoje daremos dicas de como falar a mesma língua do seu cliente e aumentar o número de vendas do seu negócio!

       

      Ouça antes de falar

      Para começar a alavancar suas vendas, a principal dica está em ouvir mais do que falar – pelo menos no início da conversa.

      A dica é quase óbvia: você precisa saber qual é o problema do seu cliente antes de sair oferecendo opções para ele.

      Não tenha medo de fazer perguntas e de procurar entender a situação em que ele se encontra. Ao contrário: você deve fazer isso!

      Você pode até pensar que o cliente ficará cansado e irá embora, mas a verdade é que as pessoas gostam de falar sobre o que estão passando e querem conversar a respeito.

      A partir de um cenário construído, você estará inserido naquela realidade e poderá, enfim, dar as diretrizes corretas para solucionar aquele problema.

      E isso vale para tudo: de casas de festas, construção de imóveis e até mentoria financeira. Você precisa conhecer o cenário antes de oferecer soluções!

       

      Traduza jargões, seja lúdico

      Como falamos acima, é fácil deixar um lead escapar quando simplesmente disparamos a falar, falar, falar, sem se preocupar se a outra parte está entendendo alguma coisa.

      Possivelmente essa situação aconteceu com você em algum momento da escola, onde o professor falava coisas que você simplesmente não compreendia.

      Você não tinha escolha senão concordar, sorrir e correr atrás da matéria depois. A diferença é que o lead não vai aprender seus jargões no Google para voltar a falar com você.

      Portanto, quando o lead bater à sua porta, procure exemplificar e explicar como as coisas funcionam e como suas soluções serão boas para ele.

      Sempre se ofereça para tirar dúvidas e, ao longo das explicações, sempre pergunte se ele tem algo a perguntar até ali.

      Não há mal algum em ser lúdico, apenas não exagere para que a explicação não acabe sendo tão complicada quanto a questão em si.

       

      Mostre seu portfólio

      Procure entender que para alguns clientes, ou para a maioria deles, é importante ver com os próprios olhos o que você pode fazer por ele.

      A maioria das pessoas gostam de produtos pré-aprovados ou simplesmente gostam de ver de perto o produto ou serviço que estão prestes a contratar.

      Não à toa é muito comum ver pessoas que vão ao shopping ver um tênis ou algum outro produto, como um celular, antes de comprá-lo pela internet.

      (E muitos são motivados a comprar na própria loja, ao invés de comprar online, justamente pelo produto estar ali em mãos, além da praticidade)

      Se você é um Fotógrafo e precisa vender mais pacotes ou serviços, nada melhor do que mostrar o que você já fez: casamentos, batizados, festas infantis etc.

      Se você tem uma Construtora, procure mostrar os projetos já realizados ou número de plantas que já estão em andamento.

      Se trabalha com Marketing, o portfólio já faz parte da sua realidade e é importante tê-lo sempre atualizado.

      Outra dica é sempre ter os resultados na ponta da língua. Assim você não estará vendendo apenas um serviço, mas também o rendimento conquistado.

       

      Pense como cliente e esteja onde ele está

      Outra forma bastante eficiente de alavancar suas vendas e conquistar novos clientes está justamente em pensar como ele, e estar onde ele está.

      Para isso, basta seguir o exercício de sempre se perguntar como você pesquisaria por um tal serviço.

      Por exemplo:

      1. Você acha que seu cliente irá procurar por um Gestor de Mídias Sociais ou por Posts para Redes Sociais?
      2. Você acha que o cliente irá buscar por Duteiro ou por Montagem de Dutos de Ar-Condicionado?
      3. Ele irá procurar por um Faccionista ou por Modelagem e Costura de Roupas?

      Como falamos ao longo do texto, a linguagem é importante. Não adianta oferecer serviços com nomes pouco usados ou que pertencem a um nicho muito particular.

      Não significa que você tenha que deixar os nomes corretos de lado, mas sim buscar sempre traduzir, explicar e colocar em display outras possibilidades para facilitar a comunicação.

      Da mesma forma, é bom saber onde seu cliente estará para que você possa investir nesta praça e seja notado pelo mesmo.

      Faça o follow-up

      Nem toda compra acontece de forma imediata e nem todos os negócios apresentam a facilidade de reter o telefone ou o e-mail do cliente.

      Se você for um lojista, por exemplo, busque sempre entregar um cartão, peça para que o lead siga suas redes sociais ou faça um convite para voltar.

      Para todos os outros negócios em que é possível reter algum tipo de contato, procure o retorno do cliente. Só lembre de não fazer isso de forma ansiosa ou insistente.

      Espere alguns dias e envie uma mensagem ou faça uma ligação. Pergunte se você pode ajudar em alguma coisa, se ficou alguma dúvida, se ele tem alguma pergunta.

      Esse tipo de atenção é bem vista, se você o fizer da forma correta. Se acontecer uma negativa por parte do lead, agradeça e siga o baile. Não insista e seja sempre educado.

      É considerado um retorno positivo quando o lead faz novas perguntas ou oferece uma explicação para a falta de resposta.

      O follow up é um importante meio de aumentar as vendas do seu negócio exatamente pela atenção prestada ao lead, mas também pelo fato de não engasgar sua fila.

      Isto é, uma vez que você sabe que um determinado lead provavelmente não virará seu cliente, você pode se dedicar a encontrar outros.

      Dica bônus

      Invista em costumer sucess

      Uma vez que a venda seja fechada, não significa que o cuidado para com o cliente terminou. Pelo contrário!

      É necessário que você o acompanhe, procure buscar se suas soluções foram realmente úteis para ele, se o retorno obtido ou o trabalho feito estão sendo satisfatórios.

      Se não estão, não significa total desespero, afinal, graças ao Costumer Sucess, você pôde estar a par disso de forma pró-ativa.

      E uma vez que você sabe de um problema, você tem a oportunidade de resolvê-lo. O problema é quando você não se preocupa e um belo dia o cliente desiste de você.

      Essa atitude pode render muitas novas vendas. Lembre-se que as pessoas conhecem pessoas que precisam de serviços como o seu, e elas sempre pedem indicações!

      Se você achou nosso texto útil, deixe um comentário aqui! Assim poderemos trocar ideias e achar soluções para manter suas vendas sempre no alto.

      QUER RECEBER MAIS CONTEÚDOS COMO ESSE?

      Cadastre-se e receba toda semana novos conteúdos sobre Marketing Digital


        10 dicas para criar um site de sucesso para sua empresa!

        site de sucesso

        É comum achar marcas ou empresas que não acham necessário ter um site, mas estar presente digitalmente é excelente para sua marca, seja ela qual for ou o que vender.

        Por mais que as redes sociais tenham grande desempenho neste quesito, mas a verdade é que elas sozinhas não bastam na maioria das vezes.

        Ter um site pode ser uma ótima ideia para a estratégia de Marketing Digital da sua empresa e, por esse mesmo motivo, não deve ser visto de uma forma simplória, menos ainda desleixada.

        Foi-se o tempo que apenas ter um site significava o sinônimo de sucesso ou credibilidade. Hoje o site tem um papel maior: é através dele que vendemos e falamos sobre nosso produto.

        Por isso que, ao construir ou pensar em um site para sua empresa, é importante não se deixar levar por itens que “são legais”. Pelo contrário, é hora de seguir algumas regras.

        Nós separamos as dez principais regras (pois é, existem muito mais) para criar um site de sucesso para sua empresa, alcançar visitantes e fechar vendas.

        Fique conosco e confira logo abaixo!

         

        Fique de olho no tempo de carregamento do site

        O seu site deve carregar rapidamente. Sites que são lentos fazem o usuário perder o interesse e fechar a janela. Ou simplesmente esquecem que sequer abriram aquela aba.

        Além disso, o tempo de carregamento é um dos pontos essenciais para que o Google goste e ajude a posicionar bem seu site nos resultados de busca.

        Use o Google PageSpeed

         

        Não se esqueça do Mobile

        Para o Marketing Digital é importantíssimo que seu site seja responsivo. Em um mundo onde podemos acessar uma página de diferentes devices, é importante que ele seja um verdadeiro coringa.

        Além disso, o Google gosta e pontua positivamente seu site. O mesmo acontece, só que negativamente, quando o seu site não é responsivo.

        E falando em mobile, lembre-se da primeira dica neste quesito também! O Brasil ainda não tem um fornecimento muito bom de internet, logo um site pesado demais acaba ficando lento ao ser acessado pelo celular.

         

        Seus links devem ser amigáveis

        Outro detalhe que faz crescer pontos com o Google é sempre prestar atenção nos links. Jamais crie páginas como

        “http://www.seusite.com.br/243435ngflkndgbddg-dfnkufejkndjjdkvitaminademtobom”

        Ao invés disso, procure criar páginas como

        “http://www.seusite.com.br/vitamina-d”

        Não apenas o Google gosta, como os usuários também gostam. Afinal, ninguém se sente lá muito seguro em clicar em longas URLs que parecem ser o caminho mais curto para um vírus.

         

        Leads, seu site precisa gerar Leads!

        Procure disponibilizar materiais ricos ou outras ofertas de conversão para transformar visitantes em leads.

        E mais importante: faça isso desde o dia número 1 de funcionamento do seu site. Assim você consegue o maior número possíveis de Leads para sua estratégia de Marketing Digital.

        QUER RECEBER MAIS CONTEÚDOS COMO ESSE?

        Cadastre-se e receba toda semana novos conteúdos sobre Marketing Digital


          Analise dados constantemente

          Isto é, saiba de onde vem seu tráfego (social media, e-mail marketing, Google, Afiliados etc), quais conteúdos tem maior taxa de engajamento, identifique comportamentos.

          Dessa forma, você poderá saber quais fontes geram mais tráfegos (e poderá alterar sua estratégia), quais tipos de conteúdo chamam mais a atenção, como o usuário lida com seu site etc

           

          Mantenha seu site atualizado

          Poucas coisas são tão frustrantes quanto um site que não informa nada ao cliente. O momento em que o usuário percebe que sua página não recebe qualquer atenção, ele desiste.

          Por isso, sempre tenha informações e conteúdos relevantes ao seu público. Se você tem um restaurante, por exemplo, crie ofertas, mostre os especiais servidos e tenha fotos atraentes!

           

          Coloque seus dados de contato

          Embora seja possível encontrar quase tudo na internet, muitas pessoas ainda têm o hábito de ligar para perguntar informações.

          Por isso, deixe todos seus contatos sempre atualizados: telefone, endereço, e-mail, redes sociais, Whatsapp etc. E o mais importante: responda o mais rápido possível!

           

          Pense como o usuário

          Ao desenhar seu site, não coloque informações que estejam no final de um labirinto. Crie menus fáceis, que torne a navegação a mais objetiva possível.

          Lembre-se da regra dos 3 cliques em que diz que, se o usuário tiver que enfrentar mais que três cliques para encontrar o que quer, o site não está funcionando como deveria.

          Pense e repense o design

          Provavelmente desenhar o layout é uma das partes mais divertidas do serviço, e por isso mesmo é muito fácil errar a mão e acabar criando um verdadeiro carnaval.

          Como falamos acima, é importante manter o site o mais objetivo possível. Um exemplo clássico é o próprio Google. A ferramenta de busca oferece apenas um campo em sua página.

          Isto é, o site não tira o foco do usuário. Se ele acessou o Google, ele quer fazer uma pesquisa. Se ele quer fazer uma busca, para quê ter tantas opções em volta? É só digitar e pronto!

          É interessante acompanhar os rumos que as páginas estão tomando, mas não esquecer de manter em mente a experiência do usuário e o objetivo do negócio.

           

          Aumente suas vendas através do seu site

          Para aumentar as vendas do seu negócio através do seu site, é importante unir alguns dos conselhos que já demos com a funcionalidade em si.

          Lembre-se que você, ao construir seu site, tem que guiar o usuário para o momento da compra. Portanto, o uso de CTAs é de extrema importância.

          Outra dica está na segurança do seu site. Programas de TV adoram falar sobre os riscos da internet e a corrente falando de golpes se espalha com facilidade pelas redes sociais.

          Portanto, mostre que seu site é seguro usando o “https” e fazendo parcerias com intermediárias de transações financeiras que sejam conhecidas pelo grande público.

          Outro método é pedir feedback dos compradores para que eles possam ser inseridos no site. Assim o nível de confiança na sua página aumenta e as chances de conversão também!

          Para que os usuários sejam encorajados a deixar um comentário, ofereça descontos ou outras vantagens na próxima compra.

           

          Dica Bônus – Aumente o alcance do seu site

          Como falamos, um site pode ser um parceiro de peso dentro da sua estratégia de Marketing Digital – principalmente se você o usar bem.

          Criar um conceito de comunidade é excelente para o seu site, mais ou menos como o Buzzfeed ou o Catraca Livre fazem.

          São pessoas que comentam o tempo todo e participam o tempo todo, e principalmente compartilham o tempo todo!

          Para isso, além de um conteúdo voltado para tais ações, procure também deixar em destaque botões de compartilhamento e estimular comentários.

           

          Se você achou esse artigo útil para você e para sua empresa, deixe um comentário para a gente! Assim saberemos que onde estamos acertando e poderemos oferecer mais!